6 de jan de 2012

Vera disse que me encontraria na saída do pátio.
Havia dois livros para ler e ambos estavam pela metade.
É que no chalé lia-os tão depressa e depois, na cidade
voltei a ler devagar, apesar da pressa.
Não sabia que já eram os primeiros sintomas.
Vontade de me vingar dos
médicos que nao me deixam ter uma morte normal.
Um fio entra pela minha garganta e vai dar no meu estômago. Nessas curvas que a vida dá, desde o pátio, só me alimento por este fio incômodo

Meus dois braços inchados e amarrados,
Picada de soro
no esquerdo, picada de mosquito no direito.
, no leito esquerdo, ouço o sbt, no direito, a globo. Devem estar em coma. Estive também, ouvi eles dizerem. 20 dias. Porém, não sabem da maior, andei sonhando, rapazes. Um catéter perfura meu crânio e filtra a água amarela. br />Os botões eletrônicos se manifestam
a noite inteira. Procuro pensar na floresta,
que é mais barulhenta à noite, são minhas cigarras.
Só que sem o tubo da traquéia. >Uma cânula de metal enfiada na minha traquéia.
Essa foi a maior das sacanagens, só aí fiquei puta de verdade.
Chama-se traquiostomia mas eles chamam de traquio, um apelido.
Cinco mil reais, eu ouvi, e tive pena do Mauro.
Não parei de pensar nas coisas práticas,
O cheque da Andréia está na escrivaninha, em baixo do livro dos
prazeres. Assim que voltar a falar, lembrarei a Vera.
Só consigo fazer o tudo jóia e só com o dedo pra cima pois estou deitada e amarrada.
Uma invasão estúpida no meu cérebro me deixou toda paralisada. Era só uma cirurgia diagnóstica, eles disseram.
Esbarrou, parou, no cérebro é assim.
E o cirurgião tinha um terrível cacoete no braço, o que me
deixou apavorada, pela primeira vez.
Antes, não. Pensava no cheque e na estreia da peça de Lázaro,
que não queria perder.
Pra tudo que eles berram pra mim, às vezes,
consigo emitir um "show", que para eles deve
parecer estúpido mas me exige pouco da língua. Show!
O "sim" me deixa exausta. Não dá.
Deixem-me morrer, agentes do inferno,
me joguem no mato, atirem-me no mar,
sou mística, acredito no êxtase final, como no filme do kubrick,toquem Bach,
o prelúdio número 1, é o meu preferido,
não me deixem partir de forma tão tétrica,
minha tv sempre ficou dentro de uma caixa de papelão
desde que me mudei, nunca mais tirei ela de lá,
não me deixem morrer entre os dois canais.
Não esvaziem minha última tentativa de crença
no que já nem dá mais pra acreditar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário